domingo, 14 de setembro de 2008

A industrialização brasileira

Industrialização brasileira

A partir do século XIX começou a industrialização no Brasil. Esse foi o período de abolição da escravatura, trazendo assim uma grande expansão da relação assalariada. Antes disso havia no máximo algumas indústrias isoladas, muito artesanato e algum crescimento manufatureiro, mas nunca uma industrialização. Isso porque a própria existência do trabalho escravo, que era o sustentáculo da economia, impedia o arranque industrial de várias formas. Em primeiro lugar, a escravidão dificultava a modernização tecnológica do trabalho, a aquisição de máquinas, pois a compra de escravos já era um investimento alto e feito a vista, antes mesmo que eles começassem a trabalhar; além disso, a evolução tecnológica pressupõe uma especialização do trabalhador, e não convinha aos proprietários educar e especializar seus escravos. Depois, o trabalhador escravo não constitui um mercado consumidor já que não tem dinheiro e vive do que o dono lhe fornece, normalmente o indispensável para sobreviver e trabalhar, fato que não ocorre com os assalariados, pois podem adquirir livremente produtos com seu rendimento. E, ademais, os gastos com vigilância - para impedir fugas, apreender os amotinados ou vigiar a execução correta do trabalho - são mais elevados na escravidão, o que é mais um elemento para barrar a inovação tecnológica.
Os salários e a liberdade de comprar o que quiserem (desde que os preços sejam compatíveis com seu orçamento) fazem dos proletários uma parcela de consumidores de bens industrializados, e essa é uma das condições indispensáveis ao processo de industrialização.(o consumidor).
Outro fator importante para o surto da industrialização brasileira foi a imigração. Os imigrantes foram os primeiros trabalhadores assalariados no Brasil, os primeiros operários na indústria nascente, e aumentaram o mercado consumidor do país, pois já tinham o hábito de adquirir bens manufaturados nos seus países de origem.
A lavoura cafeeira era, na época, o produto-rei de nossa economia, por isso foi a partir dela que se originaram os capitais inicialmente aplicados na indústria. Mas, para que esses fazendeiros ou comerciantes resolvessem investir em industrias ao invés de aplicar seu capital na lavoura cafeeira, que ainda dava muito lucro, tinha que haver condições favoráveis para os mesmos.
Essas condições surgiram com as crises nas exportações do café e com o crescimento do mercado consumidor de bens industrializados.
De fato, foi nos momentos de crise, como a Primeira Guerra Mundial, a crise econômica de 1929 e a Segunda Guerra Mundial que o processo de industrialização do Brasil teve seus períodos de maior impulso.
Como agora esses fazendeiros e comerciantes não tinham mais o café como algo muito lucrativo, eles começaram a investir seus capitais nas industrias. Foi assim crescendo até chegar em uma verdadeira industrialização.
Temos hoje várias industrias brasileiras muito importantes para nossa economia.Tais como: TAM, CEMIG, PETROBRAS, CORREIOS, GERDAU, COCA COLA, LEONI, ETC.
Temos também as multinacionais no Brasil. Por um lado é vantajoso, pois essas multinacionais proporcionam mais empregos ao nosso país, e investem na área social do mesmo. Por outro lado, temos uma grande desvantagem, pois o maior lucro vai para o exterior, e além disso muitas vezes é como se usássemos o termo: “estamos fazendo propaganda de graça”, e muitas vezes essas indústrias(marcas) ficam mais conhecidas e mais valorizadas que as nossas.

TEÓFILO OTONI
SETEMBRO/2008

Dalila, Filipe, Victor

Nenhum comentário: